Um blogue em que os meus convidados são desafiados para uma entrevista em jeito de conversa de café
26 de Setembro de 2009

Aos 36 anos, o músico Gil do Carmo assume-se casado com "a tasca" que gere todas as noites.
O Speakeasy foi palco de uma conversa com música, recheada de profissionalismo e com um leve sabor a afectos. Fique nestas linhas e descubra porquê.

Rita Filipe – Quem é o Gil do Carmo?

Gil do Carmo – Quem é o Gil do Carmo? Como é que eu hei-de responder a isso… Sou um Lisboeta, português, de 36 anos de idade, que nasceu no meio da música e das artes, e que desde miúdo queria ser cantor, músico, compositor e estar ligado á música. (...)

RF- Porque é que aceitou uma entrevista para um blogue com uma Rita Filipe que não é uma jornalista conhecida?

GC – Porque adoro desafios, gosto de coisas diferentes, acredito nas pessoas, é cliente da minha tasca, e traz-me a garantia que é o conhecimento de ser frequentadora da minha tasca. Acho que mal não trará ao mundo fazer essa entrevista consigo, portanto é logo um bom princípio.

RF – Porque é que este espaço se chama Speakeasy?

GC – Chama-se Speakeasy… eu estive para abrir o Speakeasy com o Lauren Filipe. Estive na génese da abertura desta tasca. Coincidiu que estava a viver nos EUA na altura. E Speakeasy é um termo…como poderei dizer…não é só técnico, é uma expressão idiomática, no princípio do século passado em Nova Iorque, na altura da Lei Seca existiam mais ou menos 32 mil Speakeasys. O que eram os speakeasys? Eram teoricamente casas de chá, onde nas canecas e nas chávenas de chá, se servia álcool, todo tipo de álcool e de certa forma os speakeasys estão associados à génese do Jazz. Génese essa que foi, passo a redundância, a génese desta casa. Começou como uma casa de música ao vivo, onde também de preferência se pode comer bem, mas começou basicamente orientada pelo Jazz. E daí chamar-se Speakeasy.

RF – Nunca pensou em abrir um segundo Speakeasy?


GC – Já pensei abrir vários, (...) tenho é a falta de uma qualidade, estou ainda para conhecer alguém, que se chama omnipresença. (...) eu sou verdadeiramente casado com esta tasca. Farto-me de trabalhar e acho que de certa forma o que se vive, e a vivência desta tasca passa por mim. Porque foi assim que eu a fiz. Não sei se o espírito que se sente aqui ou fazendo um franchising, ou abrindo uma cadeia de speakeasys…supondo Funchal, Porto, Faro, Almancil, Coimbra, se iria manter.
RF – Como é que se tem vida pessoal quando se trabalha à noite?

GC – Não se tem vida pessoal. Não existe.

RF – Do meu conhecimento do Speakeasy, o Gil está cá todas as noites.
GC – Estou e não é só a questão das noites. Para existir a noite teve de haver o dia. E tem de haver a programação do dia, as reservas, a programação da música, a orientação do pessoal, a mise en place, etc etc etc

RF – A sua razão de viver, neste momento, é o Speakeasy?
GC – Não. A minha razão de viver é o amor que sinto pelas pessoas que me são próximas. E os momentos felizes que essas pessoas me transmitem, que me fazem viver e que podemos viver em conjunto. Porque sou eu e o José Cid. “Eu nasci para a música”.

RF – Imagine que amanhã a Câmara Municipal de Lisboa lhe fechava esta casa por uma razão qualquer. O que é que lhe acontecia?
GC – O António Costa primeiro que tudo tinha-me á perna. Ai dele que faça uma coisa dessas. Já quer fazer o disparate de fechar o trânsito do Cais do Sodré para aqui. Aproveito para dizer que acho isso um absurdo. Mas o que faria da minha vida? Ia dedicar-me á música a 200%. O que também tenho muitas saudades.

RF – O Speakeasy tem um site. Nunca pensou criar o Blogue do Speakeasy? O Facebook, o Twitter, Star Tracker. Qual é a sua relação com as redes sociais?
GC - Eu sou muito antiquado para a geração em que vivo. Detesto computadores, detesto essa chachada toda. Não quero que pareça pedante a minha resposta, de forma nenhuma. (...) Gosto de sentir o calor da forma da comunicação, gosto de ouvir a voz e de saber que tenho um interlocutor. A história do Facebook, não tenho nada a ver com isso, não tenho pachorra.

RF – Como é que escolhe as bandas que ouvimos aqui todas as noites?
GC – Por uma selecção muito rigorosa. Eventualmente o prestigio que os clientes dizem que o Speakeasy tem, e que é um caso à parte. Fico feliz por isso. Tenho seguido um critério rigoroso nestes 10 anos. Ou seja, posso dizer que comecei com 5 dias de música mais orientada pelo Jazz, dos 5 passei a 4, de 4 para 3, para 1 e agora só a anunciar de vez em quando. Contra mim falo. Tenho muita pena que as pessoas achem “muita giro”, porque a expressão é mesmo essa, não é muito, é “muita giro”. Ai o Jazz é “muita giro”. Mas ninguém sabe o que é Jazz. Ninguém ouve Jazz. Diana Krall é uma excelente intérprete, e é uma excelente pianista, mas o que ela hoje faz já não é Jazz. Para perceber o conhecimento de música em Portugal, se não se ensina música nas escolas não se pode ter um grau de exigência para com o público. Porque as pessoas ouvem a música que lhes toca o coração. E isso é o mais importante. Contudo, é impossível ter uma casa sustentada na base do Jazz. Tenho muita pena. E hoje a programação do Speakeasy vai do Fado ao Hard rock. Democracia total. Desde que não baixe um padrão de qualidade, que é o meu. Há coisas que não deixo que passem nesta casa.


RF – Para quando uma colectânea intitulada “Speakeasy” com as músicas das bandas que convida a virem cá?
GC – Estou para fazer isso há bastante tempo. Já deveria ter sido feito. De facto é a verdade. Breve, breve.



RF – Quando é que vamos ter o prazer de ouvir o Gil do Carmo a actuar na sua própria tasca?
GC – (...) Acho que não é por ser dono de uma tasca que vou obrigar as pessoas a ouvirem-me todas as noites. Gosto da sensação de que as pessoas vão-me ouvir inesperadamente, e quem cá está é que vai guardar essa memória. E participo porque canto qualquer coisa com alguém. É verdade que quando peguei no Speakeasy comecei por tocar uma vez por semana, depois passou a ser de 15 em 15 dias e depois uma vez por mês, até que parei. Tive necessidade de parar para fazer um novo disco, o que já não acontecia há bastante tempo. E a verdade é que não voltei a esse hábito de tocar no Speakeasy. Mas brevemente voltarei de vez em quando.

RF – O Speakeasy parece imune à crise. Não sendo barato, está cheio todas as noites. Como explica isto?
GC – Acho que as pessoas, ainda para mais em crise, procuram onde se sentem bem e onde podem sentir-se protegidas da selva que é o quotidiano e o mundo lá fora. (...)
Tem tudo de correr a 200% desde que o cliente entra até que sai, para que volte. A procura de afectos acontece cada vez que há uma crise. É importante que os clientes venham, mesmo quando têm menos dinheiro para gastar. E eventualmente em vez de consumirem dois consomem um. Roda mais a sala. Acho que é a procura desse afecto que faz com que o Speakeasy esteja cheio todas as noites.

RF – Sente que o Speakeasy tem um papel na divulgação das bandas portuguesas? É dos poucos bares com música ao vivo todas as noites.
GC – É o único. É uma responsabilidade que me está a dar e eu não a quero ter. Se fico feliz por isso? Fico feliz por ser um louco que ainda acredita e continua nessa árdua tarefa e nesse árduo trabalho. (...)

RF – Qual foi a pergunta que nunca lhe fizeram à qual gostaria de responder?
GC – Não faço ideia… Como é que Portugal vai estar daqui a 10 anos? Talvez… é uma excelente pergunta, tenho 36, gostava de aos 46 ter os meus filhos numa escola porreira, os filhos que terei, e ter a certeza de que vivo num país com excelentes condições para os educar, o que neste momento duvido.

leia a entrevista completa aqui

publicado por Rita Filipe às 19:21
Cara Rita,
Já lhe tinha escrito no TST que achava a sua ideia muito interessante e como lhe adicionou um toque pessoal, acho-a ainda melhor. Parabéns!

Muitos parabéns ao Gil do Carmo!
Sou um fâ incondicional do Speakeasy. Comecei a usufruir do espaço em 1996/97 e, como estava divorciado, sem ninguém e apetecia-me estar sozinho, o Speakeasy foi uma óptima terapia.
Quase todas as noites ía ou ao Speakeasy ou ao Metalurgica (era só atravessar a avenida).
Já levei aí bastantes amigos e conheci bastante gente com realce para a minha actual mulher e o actor John Malkovich.
Já aí organizei eventos para apresentação de um sistema de reservas de companhias aéreas e para uma revista alemã.
Entretanto, há 5,5 anos vim viver para Vilamoura e nunca mais aí fui (shame on me) mas continuo a divulgar o espaço a muita gente cá em baixo, em especial a estrangeiros que adoram Jazz.
Desculpem isto ser quase uma entrevista mas a verdade é que adoro o Spaekeasy!
Abraços
Luis Santos Francisco
teste a 4 de Outubro de 2009 às 07:26
Obrigada Francisco! O Speakeasy é de facto um espaço diferente. E foi nessa perspectiva que fui conversar com o Gil do Carmo. Há quem o conheça como cantor, mas quem frequenta o Speakeasy conhece o bom trabalho que ele tem feito como empresário nos últimos 10 anos.
Rita Filipe a 4 de Outubro de 2009 às 08:42
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
24
25
28
29
30
arquivos
Rita Filipe
anarita.filipe@gmail.com
Enfermeira por um feliz acaso, comunicadora por paixão. Procuro um lugar ao sol no mundo do jornalismo...
últ. comentários
Muitos parabéns por esta entrevista excelente, no ...
Perguntar ao honestíssimo comentador da nossa praç...
Eu tive um sonho. Sonhei que o Estado Português er...
A PRIMEIRA BEATIFICAÇÃO EM PORTUGAL – BEATA RITA A...
Apresentações do livro “Saude 24 horas” pelo autor...
Muito bem!!!Fiquei agradavelmente surpreendido pel...
Parabéns por ter criado um blog tão interessante! ...
Bom dia,Parabéns pela entrevista!Aproveitámos para...
Oi Rita, tudo bem? Já tenho saudades... de você lá...
Uma grande pessoa, um amor de rapaz, um sorriso co...