Um blogue em que os meus convidados são desafiados para uma entrevista em jeito de conversa de café
30 de Novembro de 2009

 

Viveu em Atenas e Amesterdão, mas é Lisboa que a seduz. Assume-se como viajante na sua cidade. Escreve para que outros possam conhecer a sua Lisboa.

 

 

Lisboa é uma mulher que queremos ter por amante. Não é uma mulher perfeita, mas é uma mulher que nos leva à loucura nas esquinas mais esquecidas.
 
 
Rita Filipe – Quem é a Sancha Trindade?
 
Sancha Trindade - É uma viajante da cidade, que tem uma missão: a de partilhar Lisboa e é uma pessoa com muito orgulho no seu país. Com perfeita noção da riqueza cultural dos nossos poetas e da nossa literatura e que se predispõe todos os dias a fundir-se com a cidade para enaltecer essa partilha. Acima de tudo para elevar a auto-estima dos portugueses. Acho que esta é a grande missão.
 
RF – Como é ter a cidade na ponta dos dedos?
ST - É um privilégio muito grande e um sentimento que me ultrapassa todos os dias. Que me surpreende e que me faz todos os dias chegar à noite e para além das cinco coisas que eu aprendi a agradecer, agradeço a minha vida, a qual sinto como um enorme privilégio.
 
RF – Como descreveria Lisboa a um estrangeiro que não conhece a cidade?
ST Lisboa é uma mulher que queremos ter por amante. Não é uma mulher perfeita, mas é uma mulher que nos leva à loucura nas esquinas mais escondidas e fascinantes. Consegue ser uma cidade elegantemente sexy, mas muito misteriosa. Acho que é uma cidade que queremos ter como amante para o resto da vida, uma cidade que reúne as qualidades mais fascinantes de uma mulher e uma da mais importantes: o facto de ser muito feminina.
 
RF – Porque é que escolheu o Café Royale como palco da nossa conversa?
ST – Este foi um dos sítios a que mais me agarrei quando voltei da Holanda e da Grécia. Voltei com medo. Quando se está 4 anos fora de Portugal... O Royale foi o primeiro café que me surpreendeu no novo Chiado. Nós temos uma pastelaria fascinante, que põe a pastelaria francesa a um canto. Mas os nossos cafés não são bonitos e isto é Portugal, um diamante em bruto. Temos uma pastelaria fascinante e depois temos esplanadas com cadeiras berrantes a publicitar refrigerantes. Felizmente isso está a acabar. E este foi um dos cafés que me mostrou que Lisboa estava mesmo a mudar. Na altura uma série de guias e revistas elegeram Lisboa como um dos melhores destinos da Europa e nessa visão do mundo esta morada é transversal. Aqui encontram-se pessoas clássicas, originais, eruditas, alternativas, sonhadoras e tudo o resto. Gosto desta transversalidade.
 
RF – O que é que Lisboa ainda não tem?
ST – O drink after business. Lisboa ainda não tem a continuidade do dia. Lisboa ainda não tem o encontro entre os viajantes.
 
RF – Qual é a cidade da sua vida?
ST – É Lisboa. Se não fosse Lisboa, escolhia Atenas. É a cidade mais feia do mundo, mas foi onde aprendi a ser feliz. Atenas tem esquinas maravilhosas e os gregos vivem a vida e a partilha como ninguém e lembram-me o Porto: quando fazem, fazem muito bem. Farto-me de dizer isto, o Porto dá dez a zero a Lisboa em muita coisa e o que fazem é com muita pujança e paixão. Mas respondendo à pergunta é claro que a cidade da minha vida é Lisboa.
 
RF – O que é que Lisboa tem de tão especial?
ST – É uma cidade que me continua. Que tem o Tejo, que tem muita história. Eu cresci aqui, neste bairro. Lembro-me de descer o Chiado de mão dada com os meus pais e ir à Ferrari ao Sábado de manhã beber um batido de morango e comer as bolachas de framboesa que imortalizaram a montra que infelizmente desapareceu com o incêndio. Ainda hoje guardo com carinho as recordações do Chiado antigo.
 
RF – Como é que se define profissionalmente?
ST – Costumam arrumar-me na gaveta dos jornalistas, mas alguns dizem que sou cronista, outros colunista. Acho que sou simplesmente uma viajante que partilha a sua cidade. 
 
 
 
 

 

publicado por Rita Filipe às 23:05
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
22
24
25
26
27
28
29
arquivos
arquivos
Rita Filipe
anarita.filipe@gmail.com
Enfermeira por um feliz acaso, comunicadora por paixão. Procuro um lugar ao sol no mundo do jornalismo...
últ. comentários
Muitos parabéns por esta entrevista excelente, no ...
Perguntar ao honestíssimo comentador da nossa praç...
Eu tive um sonho. Sonhei que o Estado Português er...
A PRIMEIRA BEATIFICAÇÃO EM PORTUGAL – BEATA RITA A...
Apresentações do livro “Saude 24 horas” pelo autor...
Muito bem!!!Fiquei agradavelmente surpreendido pel...
Parabéns por ter criado um blog tão interessante! ...
Bom dia,Parabéns pela entrevista!Aproveitámos para...
Oi Rita, tudo bem? Já tenho saudades... de você lá...
Uma grande pessoa, um amor de rapaz, um sorriso co...